PRR no Museu de Arqueologia

Saber | Património
©twitter.com/cultura_pt
  • Data

    23.12.21

No dia 22 de dezembro decorreu a apresentação do projeto de intervenção no Museu Nacional de Arqueologia, numa cerimónia que contou com a presença da Ministra da Cultura, Graça Fonseca, e da Secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Ferreira.

O Museu Nacional de Arqueologia, cujo espólio integra a maior coleção de tesouros nacionais ou de escultura clássica em museus portugueses, vai ser inteiramente reformulado. O restauro e a reabilitação do edificado permitirão o crescimento exponencial da sua área expositiva, que será praticamente duplicada, dando finalmente visibilidade a partes tão relevantes da sua coleção, nunca expostas. Será assim possível a reprogramação total do conteúdo museográfico, nomeadamente as coleções da pré-História ou das Idades do Bronze e do Ferro. Trata-se de centenas de milhares de peças que compõem o riquíssimo acervo do museu, que correspondem a camadas imensas do nosso mapa de ancestralidades, e que atualmente não encontram condições dignas para fruição pelo público, e que poderão ser vistas após a intervenção.

Para o período em que decorrerão as obras, o Museu Nacional de Arqueologia está a desenvolver parcerias no país e no estrangeiro para continuar a participar em exposições temporárias, que permitam fazer circular as suas coleções, contribuindo para levar o conhecimento arqueológico a outros locais do território.

A obra deverá arrancar no final de 2023 e estar concluída no final de 2025, fazendo com que o Museu Nacional de Arqueologia possa cumprir na totalidade a sua ambiciosa missão: como espaço visitável, permitir uma melhor fruição pública; no âmbito científico, proporcionar melhores condições de estudo e investigação dos artefactos arqueológicos.

O Plano de Recuperação e Resiliência compreende uma componente exclusivamente dedicada à Cultura, com um valor global que ascende aos 243 milhões de euros. Deste investimento, 150 milhões de euros destinam-se à valorização, salvaguarda e dinamização do Património Cultural e 93 milhões de euros serão afetos à Transição Digital das Redes Culturais para a modernização tecnológica e digitalização de artes, literatura e património. Estes investimentos vão salvaguardar e valorizar o património cultural e natural, promover o emprego e a atração de novos públicos, fortalecendo as redes no território.

Fonte: Gabinete Ministra da Cultura

Veja Também