Lisboa | De 10.02.22 a 20.02.22

Paraíso - A Divina Comédia

Teatro | Teatro

Quem procura o Paraíso não sabe que era amor o que Dante procurava. Amor?

O amor pelo poder, que justifica a existência de Deus, reconhece o prazer megalómano da mente. O amor egocêntrico, que desagua no ódio ao outro, aumenta o prazer narcísico. O amor pelos outros, que tem a missão altruísta de apenas dar. O amor pelo movimento, que intensifica sensações e sentimentos viajantes. O amor carnal, que fertiliza o prazer de continuar vivo. O amor pelo conhecimento, que sustenta a curiosidade e o prazer de ver. O amor pela Arte, que enaltece o que é particular. Este é um Teatro que ama a representação. Nesta encenação de João Brites, Pedro Gil é um Dante solitário em diálogo interior com uma muito singular paixão e a plasticidade vocal de Sara Belo continua a dar corpo à inatingível Beatriz. Com eles estará uma surrealista banda de sopros que mistura o corpo das/os instrumentistas com os instrumentos como se fosse a obra inacabada de um ceramista louco. Este é um Teatro que ama o que é visual. Começou com a escadaria em espiral do Inferno, passou pelas afuniladas pontes do Purgatório e chega agora à suspensão flutuante do Paraíso. Que este espetáculo contribua para a investigação que se faz e continuará a fazer em torno do Paraíso que Dante Alighieri imaginou.

Conversa com artistas após o espetáculo
13 fev > dom, 16h

Sessão com interpretação em Língua Gestual Portuguesa
13 fev > dom, 16h

Sessão com Audiodescrição
20 fev > dom, 16h

Fonte: TNDMII

Ver direções

Veja Também