Lisboa | De 19.11.21 a 19.11.21

Música Anglofrancesa para oboé e cordas

Concertos | Música
ⓒ Pixabay

Na história da música sempre houve intérpretes marcantes. O oboísta inglês Léon Goossens (1897-1988) é um desses casos: as duas primeiras obras do programa foram-lhe dedicadas e por ele estreadas. O Fantasy Quartet de Benjamin Britten, escrito aos 18 anos, trouxe o reconhecimento internacional ao compositor quando foi apresentado em Florença em 1934. O Quinteto para Oboé e Cordas, de Arthur Bliss, foi estreado em 1927, também por Léon Goossens. É uma peça viva e variada, que explora todas as potencialidades do oboé.

A suíte para piano Le Tombeau de Couperin de Maurice Ravel baseou-se numa tradicional suíte barroca e procurou homenagear os grandes compositores franceses barrocos para teclado. A palavra tombeau do título remete para um termo musical francês comum no século XVII que significava “peça escrita como memorial” e cada um dos andamentos desta obra composta entre 1914 e 1917 é dedicado à memória de amigos do compositor que morreram lutando na I Guerra Mundial. Para além do próprio Ravel, muitos outros músicos têm orquestrado partes ou totalidade da partitura. O arranjo de Robert Winer para oboé e cordas insere-se nessa constante tradição.

Fonte: TNSC

Ver direções

Veja Também